Faixas 'One Eye To Morocco':

1. One Eye To Morocco (Gillan/Morris)
2. No Lotion For That (Gillan/Morris)
3. Don't Stop (Gillan/Appleby)
4. Change My Ways (Gillan)
5. Girl Goes To Show (Gillan/Morris)
6. Better Days (Jackson)
7. Deal With It (Gillan/Morris)
8. Ultimate Groove (Jackson)
9. Sky Is Falling (Gillan/Morris)
10. Texas State Of Mind (Jackson)
11. It Would Be Nice (Gillan/Morris)
12. Always The Traveller (Gillan/Morris)

Olá a todos,

Alguma informação sobre meu novo álbum - - One Eye to Morocco - que será oficialmente lançado em 6 de Março de 2009.

Eu estava no bairro judeu da Cracóvia ouvindo histórias relacionadas a Oscar Schindler quando a voz desapareceu - e então retornou...

'Ah, Ian você tem um olho para Marrocos.'

Disse Tommy Djiubinski.

Ele havia me pego apreciando, com meu olhar, a aura de uma elegante cliente enquanto ela era levada em sua nuvem pessoal de almíscar.

O significado me iludiu, primeiramente; até eu ouvir a segunda parte da expressão.

Na íntegra (e na Polônia) 'Um olho no Marrocos' e o outro em Caucasus, decreve uma pessoa vesga. Na Inglaterra nos referiríamos a um olho vadio, sendo preguiçoso em um contesto físico ou vagabundeado ativamente em um senso menos prosaico.

Há poucos anos atrás (2008) houve uma parada na agenda do Deep Purple quando ocorreu uma grande tristeza com o falecimento de Brenda - a amável mãe de Roger Glover..

Então eu retornei para Buffalo e voltei minha mente para outras coisas . Mais de 30 canções em diferentes fases de preparação estavam disputando por reconhecimento - eu, eu, eeeeeu...

Havia uma que eu tinha escrito com Steve Morris, que ficou à frente do resto, como um foco natural para o processo de redução. Acabando como a faixa-título, ela se tornou o critério de seleção para um álbum que já tinha uma pulsação.

Quando estava terminando as letras, fui atraído de volta à Cracóvia e ao comentário irônico de Tommy. Aqui estava uma perfeita metáfora musical; Deep Purple sendo Caucasus e Marrocos sendo o projeto atual - minha exótica estada.

...sentado sozinho em me quarto, esperando por nenhuma ligação, perdido em meu próprio sonho.

Foi uma decisão consciente de evitar o uso de uma seção rítmica de rock e vocês notarão a completa ausência de solos de guitarra e teclado - nós temos o melhor de tudo isso no DP. Então a instrumentação é talvez mais sedutora do que impulsiva.

Nós ensaiamos durante a melhor parte de uma semana em Buffalo, então cruzamos a Ponte Peace e dirigimos para o norte ao longo do Lago Ontário para os estúdios Metalworks em Mississauga, onde as faixas principais foram gravadas em três dias. Desde então, eu finalizei com o maestro (Nick Blagona) em seu estúdio, que é perto de Dundas.

Michael Lee Jackson (MLJ) estava lá desde o começo, oferecendo o que pode ser apenas descrito como uma contribuição holística.

Sklad zespolu: MLJ - guitarras, Rodney (ainda com a bala em seu pescoço) Appleby - baixo, Howard Wilson - bateria, Steve Morris - guitarras, Joe Mennonna - saxofones, Lance Anderson - órgãos Hammond, Jesse O'Brien - teclados.

Obrigado a todos, saúde, ig

TOPO